sábado, 8 de fevereiro de 2020

Visita ao CABO da ROCA


Sempre envolta em fortes neblinas matinais, a região do Cabo da Roca coloca-nos no ponto mais ocidental do continente europeu e que levou Camões a escrever nos seus célebres Lusíadas, canto III, " O ponto onde a terra acaba e o mar começa ".

A paisagem é de cortar a respiração e ali todos podemos imaginar sermos timoneiros duma qualquer mágica embarcação que nos leve pela imensidão, sem fim, dos oceanos.

Sem nos querermos identificar com D. Sebastião, ali desembarcamos em manhã de nevoeiro com grandes limitações no que respeita à visibilidade.
Por outro lado, o acesso ao interior do Farol encontrava-se encerrado obstando à aquisição de diploma que confere a nossa presença neste local, prejudicando aínda mais a nossa visita

Minimizando o lado negativo, encontramos aberta uma loja de comércio na qual conseguimos observar e captar imagens de alguns belos painéis de azulejo que vamos aqui publicar.

Seguem as imagens:

Paisagem muito limitada pelo intenso nevoeiro existente no momento

Perspectiva do farol


Seguem os magníficos painéis de azulejo






No mínimo esperamos ter contribuído para vos despertar uma visita ao local e ao magnífico Farol.
É possível obter aqui um diploma que atesta a nossa presença no local.

Voltaremos logo que tenhamos motivos para tal. Fiquem bem e... atentos.



quarta-feira, 11 de setembro de 2019

VISITA ao MUSEU do PÃO (03)



Neste último capítulo dedicado ao Museu do Pão apresentamos imagens de algumas vitrinas, onde podemos admirar os vários tipos de pão que se fabricam nas várias regiões do país.
Um olhar sobre a área do bar e a reconstituição duma interessante aldeia rural, dedicada aos mais novos, composta por marionetas articuladas e em movimento, encerram esta reportagem.

Para além do bar o museu possuí um excelente restaurante onde se pode tomar uma magnífica e tradicional refeição, antes, durante ou no final da visita.

Na hora da partida mesmo ali junto à entrada temos uma mercearia com um clima rural onde se pode adquirir uma vasta quantidade de produtos regionais.

Imagens finais:
( convém clicar para abrir as imagens )
















E assim chegamos ao final de mais uma reportagem fotográfica baseada nas nossas viagens. Para quem já conhece pode aqui recordar este interessante museu. Para quem não conhece poderá servir como motivador a uma próxima visita. 
Pela nossa parte fica a promessa que voltaremos logo que haja matéria para tal, entretanto, iremos preparando novos temas para o blogue " Revisitando a História ".
Até breve. Fiquem bem.


terça-feira, 10 de setembro de 2019

VISITA ao MUSEU do PÃO (02)


Continuando com a reportagem fotográfica que fizemos durante a visita ao museu, dedicamos o capítulo de hoje  a uma pequena parte da vastíssima documentação que ali existe, em forma de folhetos, livros e gravuras.

Todo este acervo, muito bem conservado em vitrinas que permitem a sua análise, referencia de modo particular várias das épocas e personagens que tiveram a ver com a industria da panificação no nosso país.

Vamos às imagens:













Por aqui ficamos hoje. Terminaremos amanhã este reportagem com o 3º e último capítulo.
Fiquem bem. 

segunda-feira, 9 de setembro de 2019

VISITA ao MUSEU do PÃO (01)


Nos percursos que programamos para a época de Verão estava previsto atravessar a Serra da Estrela, sem neve, para melhor podermos apreciar toda a beleza e encanto da sua rude paisagem.

Decidimos abordar a Serra pelo lado poente e ao chegarmos a Seia aproveitamos para visitar o Museu do Pão que ali fica situado.
Dividimos esta reportagem em 3 capítulos e não faremos muito mais considerações escritas para além das que se seguem pois que o Museu tem uma página própria, muito bem documentada, onde todos poderão esclarecer qualquer dúvida.

Considerado um dos maiores museus do pão a nível mundial, trata-se duma iniciativa privada que apostou num núcleo museológico inserido na Quinta Fonte do Marrão.

O projecto nasceu em 1996 envolvendo historiadores, empresários e docentes os quais procederam à recolha de espólio que se encontra patente ao público através da pesquisa em antiquários, alfarrabistas, leilões e doações.
Inaugurado em 26 de Setembro de 2002 merece sem dúvida uma visita demorada.

Passamos às imagens e, para recordar, aconselhamos a que façam clique na primeira foto para que possam apreciar as imagens em maior dimensão.













Continuaremos amanhã apresentando mais uma série de imagens deste interessante museu. Fiquem bem e... atentos.



domingo, 30 de junho de 2019

Breve visita ao PALÁCIO da BOLSA


O Palácio da Bolsa ou Palácio da Associação Comercial do Porto começou a ser construído em 1842 sobre as ruínas do Convento dos Franciscanos que havia sido destruído por um incêndio.

Sob o traço do Arquitecto Joaquim da Costa Lima Júnior a sua construção arrastou-se por quase meio século tendo sido finalmente inaugurado em 1891.

Classificado como Monumento Nacional destacam-se no seu interior o Pátio das Nações, a Sala Dourada, a Sala do Tribunal e o Salão Árabe, considerado o local mais emblemático do Palácio e que não foi por nós visitado por se encontrar vedado ao público na ocasião.

Como habitualmente seguem as nossas imagens:

Fachada principal do Palácio

A bela escadaria

Detalhes do tecto da escadaria

Pormenores do primeiro piso


Detalhes do Pátio das Nações

Detalhes do Pátio das Nações

Detalhe do Pátio das Nações.

A Clarabóia de dimensões invulgares

Detalhe dos corredores do piso 0

Detalhe nos corredores do piso 0

Corredores do piso 0 que contornam o Pátio das nações

E assim finalizamos esta breve visita. Tentaremos captar fotográficamente o Salão Árabe em próxima ocasião e aqui daremos conta disso mesmo. Até breve. Fiquem bem.